IX Competição Brasileira de Arbitragem e Mediação Empresarial CAMARB

 mediacao_empresarial

Começou na quinta-feira, 25 de outubro, a IX Competição Brasileira de Arbitragem e Mediação Empresarial, realizada pela CAMARB – Câmara de Arbitragem e Mediação Empresarial – Brasil. Trata-se do maior evento do gênero da América Latina e da maior competição de arbitragem e mediação em língua portuguesa no mundo, que já está em sua nona edição. A solenidade de abertura foi realizada na AASP – Associação dos Advogados de São Paulo e contou com a participação do presidente da instituição, Luiz Périssé Duarte Junior, que ressaltou a importância do evento para preparar os futuros advogados para os desafios da carreira. A abertura também trouxe para os participantes palestra magna com o advogado e professor Marcelo Huck, um dos pioneiros da arbitragem no Brasil.

Este ano, as rodadas de arbitragem e mediação que levarão à grande final, no domingo, acontecem no Ibmec São Paulo, uma das principais instituições de ensino do país. O evento reúne mais de 1.500 participantes, dos quais 1.050 são estudantes de faculdades de direito de todas as regiões do país. Nesta edição, estão representados 20 estados brasileiros. Os alunos apresentam memoriais escritos e participam de audiências simuladas sobre um caso preparado pela CAMARB. O caso contempla elementos que refletem matérias enfrentadas na prática da advocacia empresarial, como questões relacionadas a arbitragem, direito ambiental e minerário, em disputa decorrente de operação de M&A para alienação de empresa. O presidente da CAMARB, Augusto Tolentino, explica a proposta da competição: “São temas com os quais, mais cedo ou mais tarde, fatalmente se depararão aqueles que optarem pela chamada advocacia empresarial, além de estimularem o debate acadêmico. Nessa linha, já se tratou de contratos com a administração pública, de arbitragem frente aos processos falimentares, de arbitragem coletiva, de arbitragem societária, de arbitragem em contratos de energia, assim como de procedimentos de mediação empresarial”, ressalta Tolentino.

Para avaliar os competidores, são convidados mais de 300 árbitros e avaliadores, que participam dos painéis da fase oral e avaliam os memoriais escritos. São profissionais de todas as regiões do país que atuam na área.

PREPARAÇÃO PARA O FUTURO

Para a CAMARB, instituição que organiza o evento, trata-se de importante projeto acadêmico e profissional, destinado a preparar os profissionais e as futuras gerações para atuarem na área. Além de promover a inserção de profissionais mais jovens no setor, a iniciativa também contribui para outro ponto de atenção da instituição em relação a carreira jurídica, que é a paridade de gênero. Dentre os competidores, na edição deste ano, há uma proporção de 53% de mulheres e 47% homens. Em relação aos árbitros e avaliadores convidados pela CAMARB, 47% são mulheres.

Para o coordenador do Curso de Pós-Graduação em Direito do Ibmec São Paulo, João Paulo Hecker, “trata-se de um dos eventos mais relevantes do país. Essa competição tem por objetivo difundir meios adequados de resolução de litígios através de técnicas metodológicas ativas e inovadoras, despertando interesse, engajamento e profundo protagonismo dos alunos na aquisição do conhecimento. Nossos cursos de Graduação e Pós-Graduação em Direito estão completamente alinhados com essa proposta metodológica.”

EVENTO JÁ GERA FRUTOS

Em sua nona edição, a Competição Brasileira de Arbitragem e Mediação Empresarial CAMARB se orgulha da relevância conquistada para o desenvolvimento profissional e acadêmico dos participantes. Um exemplo é Gisela Mation, atualmente advogada sênior do escritório Machado Meyer, que comenta a sua participação no evento – hoje, ela é profissional reconhecida no mercado e participando como árbitra das rodadas deste ano, mas já esteve também do outro lado, como competidora, na primeira edição, realizada em 2010. “A Competição foi pioneira no Brasil, adaptando à nossa realidade a prática das competições internacionais e permitindo aos seus participantes exercitar habilidades essenciais para a prática da advocacia. Hoje, como árbitra, observo com grande satisfação o desenvolvimento dos jovens participantes, assim como a sua dedicação e qualidade técnica na construção dos argumentos e na sua exposição oral”, avalia ela.

Outro exemplo é Ricardo Dalmaso, atual gerente de Resolução de Disputas no Mercado Livre. Ele, que participou como orador na primeira edição da Competição, atualmente desempenha função relevante na referida empresa, ligada aos métodos adequados de resolução de disputas.

 

Fonte: Exame.abril.com.br