IBMEC SP ganha centro de pesquisa focado em temas como fake news e proteção de dados

O projeto é do curso de Direito do Ibmec e tem como idealizador o professor Marco Antonio da Costa Sabino, que aponta que os produtos dos centros terão impactos práticos no mercado

O Ibmec SP, por meio da Graduação em Direito, vai lançar um novo centro de pesquisa focado em abordar assuntos contemporâneos e relevantes para as empresas e para a sociedade. É o Weblab Ibmec, que focará em pesquisas e discussões pertinentes ao setor de Mídia e Internet, como fake news, responsabilidade e censura.

São dois projetos de pesquisa aprovados para o WebLab. Um deles abordará a responsabilidade civil dos intermediários – como Facebook, Instagram, Twitter, Linkedin e Pinterest - pelo conteúdo de fake news postado nessas mídias sociais. Já o outro projeto previsto vai abordar a legislação de proteção de dados, tema muito em voga na atualidade.

O projeto tem como idealizador o professor de Direito do Ibmec SP, Marco Antonio da Costa Sabino, que também atua como sócio do Mannrich e Vasconcelos Advogados. Sabino explica que “o centro terá caráter de centro de pesquisa aplicada e que, além de forte embasamento teórico, os produtos dos WebLab devem servir ao mercado, ou seja, os profissionais vão conseguir aplicar na prática e trazer benefícios reais”. O projeto conta com o apoio do Facebook.

De acordo com o Coordenador da Graduação em Direito do Ibmec SP, Alan Vendrame, o centro de pesquisa foi concebido dentro da proposta acadêmica do curso de direito da instituição. Ele lembra que os alunos do Ibmec são, constantemente, “colocados em contato com problemas jurídicos atuais e complexos e estimulados a buscar soluções jurídicas simples, úteis, que atendam os interesses do cliente, que estejam de acordo com o sistema jurídico e que sejam, acima de tudo, posições éticas”.

Nesse sentido, Vendrame lembra que, “o centro vai explorar as reações em ambiente virtual, com vistas a analisar o direito aplicado à internet e à ética nas redes sociais. Acreditamos, como educadores, que nossos alunos estejam altamente preparados para as demandas do mercado”.

A meta é que o WebLab Ibmec entregue diferentes produtos ao longo do ano. Apesar de o foco estar centrado na realidade brasileira, o Ibmec também utilizará pesquisas produzidas no exterior, além de contatar professores das universidades de Columbia, Stanford, Oxford e Yale, ao lançar mão de uma robusta rede de relacionamentos que propiciará um saudável e valioso intercâmbio acadêmico.


Sobre o Ibmec

Reconhecido como uma das mais importantes e qualificadas escolas de negócios do país, o Ibmec vem, há mais de quatro décadas, formando os verdadeiros protagonistas nas suas áreas de atuação e que estejam preparados para enfrentar os desafios do mundo. Pioneiro no MBA em finanças do Brasil em 1985, o Ibmec atualmente possui mais de 50 cursos de pós-graduação presenciais e online, entre MBAs, Global MBAs e LL.M., e um amplo portfólio de graduação em diferentes áreas: Economia, Finanças, Administração, Direito, Relações Internacionais, Engenharia, Comunicação e Arquitetura. Com unidades próprias no Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília e São Paulo, além de estar presente nas cidades de Fortaleza, Recife, Salvador e Campinas, a instituição está preparada para proporcionar aos seus alunos um ambiente de colaboração, integração, experiência internacional e ensino de qualidade voltado à prática. Em 2015, passou a fazer parte do grupo de educação superior Adtalem Educacional do Brasil. Saiba mais: http://www.ibmec.br/


Marco Antonio da Costa Sabino

Doutor (USP) e Pós-Doutor (Coimbra, Portugal). Pesquisador da University of Columbia e Academic Visitor da University of Oxford (2017). Professor e Pesquisador do IBMEC/SP, FIA, Dom Cabral e FIPECAFI. Com a experiência de sete anos no maior grupo de comunicação da América Latina, tem o ponto de vista do cliente aliado a um profundo conhecimento técnico. É árbitro da Arbitranet – Câmara de Arbitragem, e ex-conselheiro do Conselho de Ética do Conar – Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária.

 

Fonte: segs.com.br