Empreendedorismo das empresas juniores faz parte do DNA do Ibmec

Na graduação, muitos jovens sonham com a chegada do mercado de trabalho. Mas antes de alçar voos mais altos na carreira, é preciso se dedicar aos estudos. Durante a faculdade, há muitas disciplinas e um conteúdo bem robusto. Mas nem todos têm a oportunidade de aliar a prática à teoria ao participar das empresas juniores. O Ibmec, que tem o empreendedorismo no DNA, oferece aos alunos a chance de trabalhar numa das empresas logo no início do curso. Para ingressar numa das células, é preciso passar por um rigoroso processo seletivo, a exemplo de grandes empresas que estão hoje no mercado.

Segundo Marco Aurélio de Sá Ribeiro, Gerente Nacional do Centro de Empreendedorismo e Inovação da DeVry – Ibmec e também Presidente da Confederação Brasileira de Vela (CBV), “o Ibmec é uma das poucas faculdades no Brasil que dá ao aluno a experiência de viver num ambiente corporativo com tantas empresas juniores enquanto está em sala de aula. Os estudantes que participam desse projeto chegam ao mercado de trabalho mais bem preparados porque já vivenciaram situações reais com clientes e a resolução de problemas do dia a dia de uma empresa". 

O Centro de Empreendedorismo Ibmec (CEI) no Rio de Janeiro é composto por 8 empresas juniores: Ibmec Júnior (desenvolver projetos voltados a pequenas e médias empresas), Resultante (onde alunos da graduação em Engenharia de Produção prestam consultoria), Agência 217 (empresas na área de Comunicação e Marketing), CEMEC (Centro de Estudos especializado em Mercado de Capitais), Panorama (consultoria internacional), Ibmec Social (desenvolve projetos sociais no Rio de Janeiro), CODE (agência de conteúdo) e iJuris (empresa da área de Direito).

Há também 5 núcleos no CEI: Ibmec Fashion (Núcleo de moda), DON (Desenvolvedora de Negócios - transforma ideias em projetos reais), NAEI (apoio ao estudante internacional), Núcleo de Esporte (Atlética – com projetos na área de Marketing Esportivo) e Núcleo de Consultoria (desenvolvimento de práticas de consultoria).

Uma curiosidade é que um estudante de determinado curso não precisa necessariamente concorrer a uma vaga na empresa júnior da área dele. Como existem muitas vagas com escopos diferentes, quem participa do processo seletivo pode se candidatar à vaga na empresa que desejar desde que tenha as competências necessárias para o cargo.

Todo o trabalho feito pelos alunos nas empresas juniores é supervisionado por professores que monitoram cada célula. Os jovens atendem empresas, desenvolvem projetos, fazem eventos e também participam de capacitação com o objetivo de se aprimorar profissionalmente.